Ads Top

Mãe faz apelo para conseguir medicamentos para a filha em Brumado


Não bastasse conviver o sofrimento da filha há quatro meses, a dona de casa Neia Ribeiro dos Santos, de 30 anos, enfrenta a falta de recursos financeiros para comprar medicamentos usados pela criança de 9 anos. Ainda sem um diagnóstico específico a mãe conta que a luta com a filha começou em junho deste ano quando percebeu que a filha apresentava fraqueza e olhos com coloração marela. "Minha filha chegou da escola queixando fraqueza e sonolência, logo desconfiei que não era normal, então levei ela ao hospital", conta. Segundo Neia, na unidade hospitalar o profissional médico disse que a criança estava com virose e à encaminhou de volta para casa sob a recomendação de tomar bastante líquido. "Mesmo assim, não concordei, dias depois percebi que ainda continuava os sintomas e para completar o xixi estava escuro. Foi quando retornei ao hospital novamente", relata a mãe. Ela conta que no segundo atendimento, o médico continuou assegurando que seria virose. "Vendo a situação da minha filha, mesmo sem condições paguei uma consulta particular, e com os exames de sangue na mão foi constatado várias alterações, e logo mostrei para a minha agente de saúde e ela encaminhou para a enfermeira do posto de saúde", disse Ribeiro, que novamente retornou ao Hospital Municipal Professor Magalhães Neto e a pediatra deu a informação que sua filha teria que ficar internada. "Ficamos no hospital por 18 dias, e ela foi transferida para Salvador em seguida", afirmou. 


A dona de casa disse ainda que na capital baiana ainda ficou por cerca de sete dias, mas mesmo assim, sua filha não teve um diagnóstico completo sobre que tipo de doença ela tem. "Nos exames apontam alteração no fígado, mas os médicos não deram um parecer final ainda, eles pediram para dar a medicação, e depois retornar em Salvador para outra avaliação", contou a mãe. Por isso, precisa do medicamentos para amenizar os sintomas; Ursacol; Calcitriol e Protovit. Neia Ribeiro conta que o remédio Ursacol custa R$ 100 e contém apenas 30 comprimidos, o que dura cerca de dez dias. "É por isso que faço esse apelo para conseguir”, desabafou a dona de casa que disponibilizou um telefone para quem possa ajudar. "Peço a ajuda das pessoas para conseguir esse remédio, poso mente ele vai amenizar o sofrimento da minha filha e nosso também, pois todos nós familiares sofremos. O telefone é 77 99982-9109”.


Malhada Acontece / 97News





Publicidade





Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.